Plastico reciclado

Como sabemos hoje, o plástico foi criado em 1920 por um químico alemão que descobriu a estrutura molecular dos polímeros. Seu nome vem da palavra grega “plastikos”, que significa “moldável”.

No entanto, as pesquisas que levaram a essa descoberta começaram por volta de 1860, quando o inventor e químico britânico Alexander Parkes descobriu a nitrocelulose, a chamada “Paxine”, um material opaco de propriedade altamente flexível e impermeável.

Ao longo dos anos, muitas mudanças ocorreram e esse material também foi aprimorado. Os pesquisadores identificaram a possibilidade de alterar as propriedades de cada polímero, diversificando assim seus tipos. Portanto, os plásticos são divididos em: termoplásticos (recicláveis) e plásticos termofixos (não recicláveis).

 

O plástico reciclado é um material que além contribuir com o ciclo de vida da natureza evitando extração de novas matérias primas, também possui alta qualidade. A reciclagem de plástico pode ser dividida em três tipos. Entenda como eles funcionam e quão importantes são

Muitos produtos e embalagens feitos de materiais plásticos possuem um símbolo indicando que são recicláveis, dependendo do tipo de plástico que utilizam. Mas você já se questionou como é feita a reciclagem do plástico?

De um modo geral, a reciclagem de resíduos plásticos inclui basicamente três processos:

  • Coleta e classificação: consiste em classificar os resíduos de acordo com seu material;
  • Reavaliação: É a fase em que os materiais separados passam por um processo para torná-los novamente matérias-primas;
  • Conversão: estágio em que os materiais são transformados em matérias-primas para a produção de novos produtos com plástico reciclado.

Reciclar

Agora que sabemos o que é o processo básico de reciclagem, vamos entender como ocorre o processo de conversão de material para transformar resíduos em plástico reciclado. Existem três tipos de reciclagem, que podem gerar diferentes tipos de produtos e benefícios:

 

1) Reciclagem mecânica

Este é o método mais comumente usado. Inclui a recuperação de plásticos (incluindo resíduos industriais – resíduos originais do processo de produção – e descartes pós-consumo – materiais recuperados do lixo por meio da coleta seletiva) em pequenas partículas que podem ser usadas para produzir novos materiais, como sacos de lixo, pisos , mangueiras, embalagens não alimentícias, peças automotivas, etc.

Quem conhece o mundo da reciclagem já sabe como funciona. Em primeiro lugar, a coleta de resíduos plásticos é realizada por meio de associações de catadores, cooperativas ou coletas municipais. Em seguida, nesses locais, diferentes tipos de plásticos são separados, classificados e limpos para remover a sujeira residual do conteúdo. Após todos esses processos, o plástico granulado é produzido. 

 

2) Reciclagem química

É o modelo mais refinado, que recicla o plástico e o converte em insumos petroquímicos básicos, que são utilizados como matéria-prima para a produção de produtos de alta qualidade.

Se compararmos a reciclagem química e mecânica, ela tem maior flexibilidade na composição e maior tolerância a impurezas, ou seja, não é necessária essa triagem completa. No entanto, os modelos químicos são mais caros e requerem grandes quantidades de plástico para serem economicamente viáveis.

 

3) Recuperação de energia

Inclui tecnologias que convertem plásticos em calor e eletricidade e reciclam plásticos por incineração, permitindo o uso do valor calorífico armazenado em plásticos. Além disso, este método de reciclagem permite que os plásticos reciclados sejam usados ​​como combustível.

 

A recuperação de energia é muito importante, pois cria uma nova matriz energética e também traz enormes benefícios para a cidade, reduzindo a carga de destinação do lixo urbano.

Atualmente, 35 países usam esse método de reciclagem. Nesses países, cerca de 750 usinas de recuperação de energia processam mais de 150 milhões de toneladas de lixo municipal a cada ano, gerando 10.000 megawatts de calor e eletricidade. Infelizmente, esse método de reciclagem ainda não foi implementado no Brasil – embora seja amplamente utilizado no exterior e amplamente utilizado na Noruega e outros países, o método de implementação é caro e o Brasil possui apenas uma planta experimental, a Usina Verde, localizada no campus brasileiro. Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).



Novo processo de reciclagem de plástico

 

Alguns tipos de plásticos são tão difíceis de reciclar que os recicladores os consideram economicamente inviáveis. Se você jogá-los na lata de lixo, eles acabarão sendo incinerados. No entanto, uma nova planta de reciclagem foi projetada para processar este plástico difícil de reciclar, usando o chamado vapor-água supercrítico aquecido em alta temperatura e tesouras moleculares semelhantes a alta pressão, quebrando as ligações químicas no material, criando usado para fazer novos plásticos.

Esse processo é aplicável a qualquer tipo de plástico, inclusive embalagens multicamadas, que normalmente não são aceitas nas lixeiras. A nova instalação está programada para abrir na Inglaterra em 2022 e tem como objetivo descartar 80.000 libras de resíduos plásticos a cada ano.

 

O que é possível produzir com plástico reciclado?

 

Resina

Produto produzido após reciclagem.

PET

Fibra para carpete, tecido, vassoura, embalagem de produtos de limpeza, acessórios diversos.

PEAD

Frascos para produtos de limpeza, óleo para motor, tubulação de esgoto, conduíte.

PVC

Mangueira para jardim, tubulação de esgoto, cones de tráfego, cabos.

PEBD/PELBD

Envelopes, filmes, sacos, sacos para lixo, tubulação para irrigação.

PP

Caixas e cabos para bateria de carro, vassouras, escovas, funil para óleo, caixas, bandejas.

PS

Placas para isolamento térmico, acessórios para escritório, bandejas.

Outros

Madeira plástica, reciclagem energética.

 

Tipos de plástico reciclável

Como nem todos os plásticos podem ser reciclados, os plásticos com essa característica são representados por um triângulo composto por três setas, e carregam um número de identificação para classificação quando chegam à central de reciclagem.

O uso deste sistema de símbolos nas embalagens não é necessariamente obrigatório, mas é amplamente utilizado pelos fabricantes porque facilita o processo de separação e reciclagem de materiais. Os números variam de 1 a 7. Os plásticos representados pelos números 1 a 6 são geralmente reciclados.

 

Tipos e características de plásticos recicláveis:

 

1-PET (polietileno tereftalato)

O PET é um dos plásticos recicláveis ​​mais comuns, formado pela reação do ácido tereftálico e do etilenoglicol. Normalmente é utilizado para a produção de latas e garrafas de alimentos, como refrigerantes e garrafas de água, além de embalagens de remédios e cosméticos. É um material transparente, inquebrável, impermeável e leve.

Sua desvantagem é que é feito de petróleo de recurso não renovável, quando misturado a outros tipos de materiais (como a fibra do algodão), não pode ser reciclado.

 

2-HDPE (polietileno de alta densidade)

O HDPE é comumente usado para fazer tampas e embalagens, assim como amaciantes, alvejantes, xampus, detergentes e frascos de óleo de carro; bem como sacolas de alimentos, potes e utensílios domésticos.

É amplamente utilizado devido à sua inquebrabilidade, resistência a baixas temperaturas, peso leve, resistência à água, rigidez e resistência química. Pode ser obtido a partir de fontes de petróleo ou vegetais. Neste último caso, temos os chamados plásticos verdes.

 

3-PVC (cloreto de polivinila)

O PVC é composto por 57% de cloro e 43% de etileno (derivado do petróleo). Caracteriza-se por ser mais rígido, transparente (quando necessário), impermeável e inquebrável.

Conhecida por sua utilização na construção civil, em tubulações de água e esgoto, também é comumente encontrada em embalagens como óleo comestível, água mineral e latas de maionese. Além disso, também é amplamente utilizado em produtos mais duráveis, como cones de sinalização, ralos e até brinquedos. Embora a reciclagem do PVC seja possível quando os materiais estão bem separados, esse tipo de plástico é uma das maiores dificuldades quando chega à central de triagem.

 

4-LDPE (polietileno de baixa densidade)

O polietileno de baixa densidade é um plástico amplamente utilizado porque é flexível, leve, transparente e à prova d’água. Pode ser obtido a partir do petróleo ou de fontes vegetais, neste último caso denominado plástico verde.

Utilizada na confecção de sacolinhas para supermercados e lojinhas, embalagens para leite e outros alimentos, como pães, frios e embutidos, além de sacos de lixo e materiais hospitalares.

5 – PP (Polipropileno)

O PP é um tipo de plástico reciclável produzido a partir do gás propeno. Suas características são inquebráveis, transparentes, brilhantes, duras e resistentes às mudanças de temperatura, podendo também preservar bem o aroma.

Muito utilizado em embalagens e filmes alimentícios, utilizado na fabricação de produtos industriais e para a construção civil, como cordas, canos de água quente, fios e cabos. Também é utilizado em garrafas, caixas de bebidas, autopeças, potes e utensílios domésticos. Possui características semelhantes às do polietileno, porém possui maior ponto de amolecimento.

6-PS (poliestireno)

PS tem as características de peso leve, forte capacidade de isolamento térmico, baixo custo, boa flexibilidade, etc. Pode ser formado sob a ação do calor para torná-lo líquido ou pastoso.

É usado para fazer latas de alimentos como iogurte, sorvete e balas, potes, peças de eletrodomésticos como a parte interna de portas de refrigeradores, brinquedos e alguns produtos descartáveis ​​como copos plásticos e lâminas de barbear.